top of page

Padaria é ameaçada após trocar nome de bolo Nega Maluca para Afrodescendente

17/03/2022 (11hs06m) - Quando Mauro Sérgio Proença, 56, mudou o nome do bolo “nega maluca” para “bolo afrodescendente” na sua padaria, ele não imaginava que a decisão resultaria em ameaças de um grupo de cerca de 12 clientes.


Sócio-proprietário da padaria Aveiro, na região sul de São Paulo, ele conta que a mudança ocorreu após receber um ofício do Sampapão (Sindicato dos Industriais de Panificação e Confeitaria de São Paulo).

A entidade recomendava ao comércio a alteração nos rótulos de doces como nega maluca, língua de sogra e maria mole. A justificativa é que esses nomes tradicionais já não são mais aceitos nos dias de hoje.


“Como exemplo marcante dessas mudanças de comportamento social, nomes tradicionais […] que são comercializados há muitos anos em nossas padarias, e que eram vistos até com simpatia, hoje não são mais aceitos e podem levar a constrangimentos e acusações de crime racial, machismo, preconceito”, diz o comunicado.

Proença achou que o novo nome, afrodescendente, remeteria à origem do bolo e, por isso, “não iria causar constrangimento”.

Na tarde de terça-feira (15), porém, clientes foram ao estabelecimento reclamar da mudança após a foto viralizar nas redes sociais. Eles queriam que o nome antigo fosse recuperado.

O presidente da Fundação Palmares, Sérgio Camargo, também compartilhou a imagem do novo nome do bolo, em tom de crítica.

Proença diz que os funcionários do local foram ameaçados e constrangidos. Na tentativa de amenizar os ânimos dos clientes, ele mudou o nome do doce novamente, desta vez para “bolo chocoball”.



Comentários


  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
radar novembro 2020.gif
petro-arabe2-17-8.gif
ACIJ.png
laclin.JPG
PATROCÍNIOS
midia-top-2022.gif
bottom of page