top of page

Goiás chega a 18 mortes por gripe e maioria tem menos de 50 anos

06/05/2023 (08hs59m) - Os dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde (SES-GO) mostram que a maioria das mortes por gripe em Goiás é de pessoas com menos de 50 anos. A última atualização divulgada neste sábado (6) registrou 18 mortes pela doença no estado este ano. Delas, apenas seis são de idosos acima de 60 anos.


De acordo com a secretaria, as vítimas são quatro bebês com menos de 2 anos, três crianças e adolescentes entre 10 e 19 anos, um jovem entre 20 e 29 anos, três adultos entre 40 e 49 anos, uma pessoa entre 50 e 59 anos e seis idosos com mais de 60 anos.


Em Goiânia, foram registradas quatro mortes e outras três em Senador Canedo, na Região Metropolitana da capital. Jataí e Catalão, tem duas vítimas cada e as cidades de Nova Roma, Abadiânia, Novo Gama, Ipameri, Guapó, Iporá e Aparecida de Goiânia tiveram uma morte cada.


Segundo dados da SES-GO, sete pessoas morreram depois de contrair Influenza B da variante Victória, outras sete morreram infectadas por H1N1, duas com a linhagem não identificada da influenza A e duas mortes foram causadas por influenza B de uma linhagem também não identificada.


Vacina liberada para toda população


A vacinação contra a influenza começou a ser aplicada em todas as pessoas acima dos seis meses de idade a partir da última quinta-feira (4). Conforme a gestão estadual, o objetivo da campanha é vacinar 90% da população, que até o momento atingiu 30% da cobertura vacinal.


Neste sábado (6), é realizado o dia 'D' de vacinação contra a Influenza em Goiás. Em todo o estado, serão mais de 900 postos de atendimento para imunização. Segundo a gestão, o ideal é que o morador procure uma unidade de saúde mais próxima de sua casa.


o médico infectologista Dr. Boaventura Braz de Queiroz explicou que o alto contágio da gripe em Goiás é provocada por diversos fatores, dentre eles, o abandono das medidas de proteção individual e a redução da vacinação.


"Depois da Covid-19, as pessoas abandonaram as máscaras, o uso de alcóol em gel e não estão procurando as vacinas", destaca o médico.


Segundo ele, é preciso adotar medidas individuais de proteção para ter resultado na prevenção coletiva. O doutor lembra que além de lavar as mãos frequentemente, usar a máscara em locais de grande aglomeração e fazer uso do ácool em gel, é preciso tomar a vacina contra a gripe.


"A cepa que tem causado maior morte é a Influenza B, justamente a contemplada na vacina", informa Boaventura.


O médico ainda reforça que é preciso atualizar o cartão de vacina, não somente com a imunização da Influenza e da Covid-19, mas também com as outras diversas vacinas que existem.


"Muitas vezes a pessoa pega uma Influenza e acaba desenvolvendo uma outra doença que também tem vacina e ela não tomou. Por isso, é importante completar o cartão de vacina para evitar possíves complicações", finaliza o especialista.



  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
radar novembro 2020.gif
petro-arabe2-17-8.gif
ACIJ.png
laclin.JPG
PATROCÍNIOS
midia-top-2022.gif
bottom of page