top of page

Ex-militares do Exército são presos após assaltar ônibus de turismo na BR-153

27/05/2024 (08hs48m) - Quatro ex-militares do Exército foram presos suspeitos de assaltar um ônibus de turismo à mão armada na BR-153, em Hidrolândia, na Região Metropolitana da capital. Segundo o delegado Sérgio Henrique, os criminosos usaram camisetas da Polícia Civil para se passar por policiais. Além deles, um casal também foi preso suspeito de participar do crime.


O crime aconteceu na madrugada da última sexta-feira (24), por volta das 5h. A Polícia Militar disse que os suspeitos estavam em três carros e com duas armas, sendo uma pistola 9 mm e um revólver calibre 357, além de duas réplicas de armas.


Segundo a Polícia Civil, o ônibus estava com passageiros que buscaram mercadorias no Paraguai e em São Paulo. Eles estavam com suplementos alimentares e anabolizantes proibidos no Brasil, celulares, peças como bateria e telas, canivetes e facas.


O delegado disse que os passageiros serão investigados pelo crime de contrabando e pelo crime de falsificação, corrupção, adulteração ou alteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais, ou seja, que não tem autorização da Anvisa.

A Polícia Civil informou que, ao todo, 15 pessoas estavam no ônibus, sendo 12 passageiros e três motoristas. Ninguém ficou feriu.


Segundo o delegado responsável pelo caso, Sérgio Henrique, os criminosos que usavam camisetas da Polícia Civil deram ordem de parada para o ônibus.


Conforme o delegado, um dos suspeitos do crime é motorista e passava informações para o grupo criminoso como características do ônibus, quais mercadorias levavam e quantas pessoas.


Eles foram presos na útima sexta-feira (24) e com eles, a polícia apreendeu, cocaína, peça utilizada para fechamento de pacotes de drogas, carros usados no assalto, camisetas confeccionadas com a logo da Polícia Civil, armas, munições e a mercadoria roubada.


"Eles vão responder por tráfico de drogas, associação pelo tráfico, roubo com arma de fogo e associação criminosa. A pena pode chegar a 50 anos de prisão", disse o delegado.



Comments


  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
radar novembro 2020.gif
petro-arabe2-17-8.gif
ACIJ.png
laclin.JPG
PATROCÍNIOS
midia-top-2022.gif
bottom of page