top of page

Carlos Bolsonaro é alvo da Polícia Federal, após autorização do STF

29/01/2024 (07hs58m) - O vereador Carlos Bolsonaro (PL-RJ) é alvo de uma operação a Polícia Federal que investiga o uso político de instrumentos da Abin (Agência Brasileira de Inteligência). A operação desta segunda-feira, 29, é um desdobramento da operação Vigilância Aproximada, desencadeada na semana passada e que mirou o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ).


Carlos Bolsonaro é investigado por ter supostamente sido beneficiado das informações produzidas pela chamada “Abin paralela”. Segundo a PF, o ex-diretor-geral da Abin utilizou o software First Mile para monitorar aproximadamente 1,5 mil pessoas. Todas de forma ilegal.


Além do vereador, conforme as primeiras informações, um agente da Polícia Federal que trabalhou durante a administração Alexandre Ramagem também é alvo de buscas.


De acordo com a PF, esse desdobramento da operação Vigilância Aproximada – que mira o chamado “núcleo político de Ramagem” – tem por objetivo investigar a destinação destes relatórios feitos pela “Abin Paralela”.


Estão sendo executados mandados de busca e apreensão na residência de Carlos Bolsonaro e em seu gabinete funcional, no Rio de Janeiro.


Carlos Bolsonaro é o primeiro filho do ex-presidente a ser oficialmente alvo da Polícia Federal. A PF também investiga que outros dois filhos de Jair Bolsonaro também foram beneficiados com os relatórios ilegais da Abin: o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) e o assessor parlamentar Jair Renan. Os dois, no entanto, não foram alvo dessa ação de PF desencadeada nesta segunda-feira.


Ao autorizar a operação Vigilância Aproximada, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, afirmou que existiam indícios de que “a alta direção da Abin, exercida por policiais federais cedidos ao órgão durante a gestão do então diretor-geral, Alexandre Ramagem, teria instrumentalizado a mais alta agência de inteligência brasileira para fins ilícitos de monitoramento de alvos de interesse político, bem como de autoridades públicas, sem a necessária autorização judicial”.


A ferramenta de inteligência First Mile, adquirida por aproximadamente 5 milhões de reais, foi “utilizada para monitorar sujeitos sem qualquer pertinência com as atribuições institucionais da Abin”, de acordo com a decisão que autorizou 21 mandados de busca e apreensão na investigação sobre a Abin paralela, que atingiu o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ).


A operação desta segunda-feira ocorre após o ex-presidente Jair Bolsonaro criticar uma ala da Polícia Federal. Em live realizada no domingo à noite, 28, Bolsonaro disse que algumas operações da PF estão sendo desencadeadas por uma “PF do B”.



コメント


  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Instagram Social Icon
radar novembro 2020.gif
petro-arabe2-17-8.gif
ACIJ.png
laclin.JPG
PATROCÍNIOS
midia-top-2022.gif
bottom of page