PATROCÍNIOS
  • Folha de Jaraguá

Após perder a Goiamido, montadora de veículos elétricos ficará só em Goianésia


O empresário Cadu Barbosa, responsável pela ABRAVEi (Associação de Proprietários de Veículos Elétricos) empreendimento que iria se instalar em Jaraguá, no prédio da antiga Goiamido, disse na quinta-feira, 07 de março, na Rádio Sucesso FM que não vem mais para o município. Segundo ele, a Prefeitura não teria cumprido o acordo de entregar o prédio em condições de iniciar os trabalhos e que agora sem lhe comunicar nada já estão mudando a lei municipal para repassar o local a outra empresa. “A culpa não é nossa” frisou.

Cadu Barbosa, disse que esteve na Goiamido há cerca de 20 dias e que, no entanto o prédio estaria largado às traças, com o canil funcionando no local, pessoas ainda morando por lá e que a reforma do telhado, prometida pela prefeitura não foi realizada. “Eu iria trazer uma comitiva chinesa para visitar o local, mas não havia condições mínimas” frisou.

O empresário negou que as obras não tenham iniciado por falta de dinheiro, segundo ele, a ABRAVEi conta com investidores Chineses, Italianos e Norte Americanos além da parceria de estudos desenvolvidos pela Universidade de Brasília (UnB). Porém disse que os empregos seriam gerados mediante pedidos de fabricação. “Estamos agora com pedido de 700 veículos e iríamos começar a produzir em Jaraguá. Todo o material para iniciar, já esta no porto de Itajaí em Santa Catarina” disse.

O empresário disse ainda que ficou surpreso com a decisão da câmara municipal de Jaraguá de lhe retirar o terreno da Goiamido, sem antes ter feito uma reunião. “Agradeço os vereadores pela agilidade no ano passado, porém dessa vez não tivemos um novo dialogo” afirmou.

Questionado sobre a quantidade de empregos que seriam gerados em Jaraguá, ele afirmou que inicialmente algo entorno de 20 diretos e depois mais 35 indiretos. Em Goianésia existe a acusação de que a Prefeitura paga o aluguel para empresa em um prédio, mas que nada foi produzido até agora. Cadu Barbosa, disse que essa informação não procede e que em 2018 foram produzidos 350 veículos, gerando 18 empregos diretos e cerca de 35 indiretos. E que agora sem a possibilidade de se instalar em Jaraguá, os novos pedidos de 700 veículos serão todos produzidos em Goianésia.

A reportagem entrou em contato com o presidente da câmara municipal de Goianésia, Múcio Santana (MDB), ele afirmou que desconhece a produção dos veículos na cidade, tanto quanto a geração dos empregos citados por Cadu Barbosa e acrescentou que a justificativa dada a eles é de que a Eletros Motors, (nome da empresa em Goianésia) aguarda um financiamento do BNDES para começar a desenvolver a linha de produção. A informação de Múcio Santana contradiz Cadu Barbosa que afirmou que o problema do atraso na linha de produção não era dinheiro.

SICTUR

O Secretário de Indústria Comércio e Turismo de Jaraguá, Henrique Bernardo, admitiu que a prefeitura assumiu os compromissos enumerados com o empresário Cadu Barbosa. Ele alega que o canil já foi retirado do local, porém afirmou ao diretor da montadora que o município não tinha condições financeiras de gastar quase 150 mil reais para reformar o telhado do galpão. E que a indecisão do empresário em assumir as despesas pesou na hora de alterar a lei criando o Parque Industrial, diante da proposta da indústria têxtil que prometeu agilidade na instalação.

O Secretário disse que se a ABRAVEi (Associação de Proprietários de Veículos Elétricos) quiser continuar no município, será disponibilizado um terreno ou até mesmo um galpão anexo ao CETEMJ. “Não desistimos de tê-los em Jaraguá, porém de fato as condições mudaram. Quero em breve poder conversar com o Cadu Barbosa e explicar melhor as coisas” concluiu.

#ApósperderaGoiamidomontadoradeveículoselét #ABRAVEiAssociaçãodeProprietáriosdeVeículosE #CaduBarbosa

midia02.png
GIF-JARAGUA-ATUALIZADO.gif
petro-arabe2-17-8.gif

By R2 Soft - © 2016 Folha de Jaraguá